Servidores farão ato na fronteira por correção de 25% nos salários

Compartilhe;

Servidores públicos estaduais de todas as categorias farão um protesto na Ponte da Amizade, em Foz do Iguaçu, na próxima segunda-feira (27), para reivindicar reposição da inflação e respeito do governo. A manifestação vai se chamar “Dia do Basta”.

A defasagem salarial chegou a 25,44% em maio de 2021, segundo cálculos do Fórum das Entidades Sindicais (FES), um dos organizadores do protesto. Os salários estão congelados desde janeiro de 2016, ou seja, há 5 anos. Nesse período, o governo estadual pagou apenas parte, 2%, do acordo feito por ocasião da greve de 2019.

Com essa defasagem nos salários é como se cada servidor ou servidora deixasse de receber quatro salários por ano. A alta da inflação nos últimos meses agravou ainda mais a situação, pois o poder de compra caiu. O aumento de preços inclui ítens como alimentação, energia, água, combustível, gás e serviços de modo geral.

A insatisfação com a falta de reposição aumentou em agosto, quando o governo Ratinho Junior (PSD) enviou para a Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) a proposta de orçamento do Estado para 2002 sem prever a correção dos salários do funcionalismo. A lei foi aprovada pelos deputados.

A categoria se queixa que o governo não negocia a recuperação destas perdas salariais e ao mesmo tempo mantém subsídios para grandes empresários. Na proposta de orçamento, o governador aumentou em R$ 5 bilhões de reais as isenções fiscais destinadas a grandes empresas e setores do agronegócio. Os valores desta iseção, que já eram altos, passaram de R$ 12 bilhões para R$ 17 bilhões de reais.

Além do FES, o ato é organizado pela União dos Servidores das Forças de Segurança Pública do Paraná (UFS). Sindicatos com base em Maringá, como a APP Sindicato e o Sinteemar, que representa os trabalhadores de instituições de ensino, irão participar da manifestação.


Compartilhe;