Protesto pesou para adiamento sobre abertura das sessões

Compartilhe;

Plenário da Câmara de Maringá. Foto: Assessoria de Imprensa da CMM

A direção da Câmara de Maringá ainda não decidiu se vai flexibilizar a entrada de público nas galerias durante as sessões plenárias após a volta do recesso parlamentar de duas semanas. O presidente Mário Hossokawa (PP) iria reunir os vereadores ao término da sessão ordinária de quinta-feira para debater o assunto. A queda na taxa de transmissão e do número de casos da Covid-19 na cidade motivou a conversa. Mas, a manifestação popular que ocorria na frente da Câmara pesou para o adiamento do encontro. Era um protesto pela rejeição do projeto que permitia às servidoras e servidores públicos, identificados como transexuais e travestis, usarem o nome social no ambiente de trabalho. Hossokawa resolveu deixar a discussão para o retorno ao 2º semestre, sob o argumento de que até lá o cenário da pandemia pode ser alterado.


Compartilhe;