Projeto amplia acesso às pessoas com deficiência

Compartilhe;

A proposta de Michele Caputo foi construída com base no projeto de Shirley (em primeiro plano)

Projeto de lei em tramitação na Assembleia Legislativa do Paraná vai ampliar as prerrogativas do Estatuto da Pessoa com Deficiência do Paraná, com garantia da acessibilidade a equipamentos públicos e eventos do poder público, sobretudo no que diz respeito ao direito ao lazer. O projeto foi apresentado pelo deputado Michele Caputo (PSDB) em atenção especial às crianças com deficiência, mobilidade reduzida e/ou com transtorno do espectro autista.

“Cada vez mais pessoas com deficiência estão inseridas no mercado de trabalho, nas escolas, universidades e diversos outros locais de uso coletivo. Por isso, queremos ampliar as possibilidades daquilo que já faz parte dos direitos deste público, garantindo mais acesso às pessoas com deficiência também ao lazer”, disse o parlamentar.

A proposta prevê a instalação nos parques e praças públicas do Paraná de equipamentos desenvolvidos também para pessoas com deficiência, incluindo a acessibilidade do local, para assegurar às crianças com deficiência a mesma possibilidade das demais crianças de usufruir do espaço público, pois os “parquinhos” atuais não são inclusivos.

O projeto inclui ainda mais dois artigos no Estatuto, tornando obrigatórias atividades recreativas inclusivas nos eventos do calendário oficial de eventos do Estado que contenham atividades destinadas ao público infantil, e ainda prevê a capacitação dos profissionais que atuam nos eventos para o atendimento de pessoas com deficiência e seus familiares.

Para Shirley Ordônio, fundadora do movimento nacional Projeto LIA e mãe de três filhos, uma cadeirante com paralisia cerebral e autismo, esta iniciativa é de extrema importância para a construção de uma sociedade mais inclusiva a partir da infância. “As crianças aprendem com a brincadeira e a criança com deficiência precisa sim de terapias, muitas vezes medicamentos e cuidados especiais, mas acima de tudo precisam ser crianças”.

Ainda segundo Shirley, é preciso compreender o lazer como uma forma de inclusão fundamental para o desenvolvimento de todos, pessoas com ou sem deficiência compartilhando de momentos agradáveis juntas no mesmo espaço. O texto foi construído a partir do projeto LIA (Lazer, Inclusão e Acessibilidade), idealizado por Shirley, e que tem atuação em diversas cidades do Paraná e do Brasil.


Compartilhe;