O que os senadores do Paraná pensam sobre a CPI da Covid

Compartilhe;

Por Mayala Fernandes (publicado no blog “Plural”)

Os três senadores do Paraná, Alvaro Dias, Flávio Arns e Oriovisto Guimarães – todos do Podemos – estão distantes do assunto mais pujante do Senado Federal: a CPI da Covid-19. Além de não serem membros da comissão, os parlamentares não têm participado das reuniões – prerrogativa de qualquer senador – nem feito muitos comentários sobre as investigações em suas redes sociais.

O partido dos senadores paranaenses conta com dois membros no colegiado: Eduardo Girão (CE), titular, e Marcos do Val (ES), suplente. Ambos integram a base governista da comissão.

Alvaro Dias

O discurso de Alvaro é o mais próximo das teses governistas na bancada paranaense. Para ele – assim como para os bolsonaristas – o inquérito deveria ir além e apurar também o destino das verbas federais sob suspeita de desvio repassadas aos estados e municípios durante a pandemia.

“Percebemos que na CPI da Covid-19 não há o desejo de investigar governos estaduais que desviaram recursos. O Supremo Tribunal Federal não tem contribuído, mudando de posição e favorecendo os governadores, uma vez que todas as autoridades responsáveis pela investigação se pronunciaram favoravelmente à presença de governadores na CPI. Por isso, eu considero impróprio o Supremo desautorizar, é lamentável, porque alguns governadores deveriam estar lá respondendo a questionamentos”, afirma.

Alvaro destaca ainda que não houve qualquer critério para a escolha dos membros. “A CPI da Covid-19 não tem credibilidade suficiente para apresentação de um relatório final que tenha consenso. Provavelmente nós teremos dois relatórios: um da oposição e outro de governistas e independentes”, diz. “Então, ela deixa muito a desejar em matéria de imparcialidade, por isso não será uma CPI que receberá aplausos generalizados, ela cumpre o papel de desgastar o governo e se constitui como palanque eleitoral para alguns, mas deveria, na verdade, ser uma ação de respeito à sociedade que perdeu vidas que deveriam ser salvas”, conclui.

Flávio Arns

Já Arns, último da bancada paranaense a embarcar no Podemos – o senador antes estava na Rede -, tem discurso mais alinhado aos parlamentares independentes e de oposição.

“Desde o princípio considerei a CPI necessária para a correção de rumos quanto à condução da pandemia pelo governo federal, que sistematicamente defende medicações e tratamentos ineficazes, negligenciando a real urgência pela vacinação da população”, diz Flávio Arns para o Plural.

Oriovisto

A assessoria de Oriovisto Guimarães informou ao Plural que o senador não comenta os trabalhos da CPI.

Em sua conta no Twitter, Oriovisto escreveu que a Comissão Temporária sobre a Covid-19, que ele compõe, é importante para complementar os trabalhos da CPI. “Enquanto a CPI busca descobrir onde estão os erros da pandemia, nós, membros da Comissão Temporária, temos como objeto descobrir os pontos assertivos, em busca de mais vacinas para todos os brasileiros”.


Compartilhe;