O Brasil e parte do mundo estão doentes

Compartilhe;

Quando até a Interpol deixa de incluir nomes de bolsonaristas na lista de procurados, alguma coisa está realmente errada. Pedidos estes que foram feitos por autoridades brasileiras. E pior: informações de bastidores dão conta de que a organização passou a agir assim porque tem receio (leia-se medo) de perseguições políticas. A Interpol resiste em inserir por exemplo os nomes do caminhoneiro Marcos Gomes, o Zé Trovão, e o do blogueiro Allan dos Santos (foto). A entidade reúne representantes de policiais de cerca de 200 países. Só há uma conclusão: o Brasil e parte do mundo estão doentes. acometidos por uma apatia política sem precedentes. 2022 promete!


Compartilhe;