Diretora de CMEI morta por Covid teve família inteira contaminada

Compartilhe;

Morreu ontem vítima da Covid a professora Angelita Teixeira Palhari (foto), 49 anos, diretora do Centro Municipal de Educação Infantil “Maria Teresa Gonzaga”, em Maringá. Ela era diretora eleita do CMEI desde o início de 2020. Servidora do município havia 28 anos (começou em março de 1993), era graduada em Pedagogia pela UEM. Há 12 dias, Angelita usou sua rede social para pedir aos amigos orações a ela, a uma filha, ao ex-marido e ao cunhado, todos hospitalizados pelo novo coronavírus. Na data da postagem, 17 de junho, a diretora e outra filha estavam se recuperando em casa. “Muitos não acreditam, não esperem passar por isso, se cuidem e cuidem do próximo”, alertou. Na semana passada, uma ex-cunhada da diretora também faleceu por Covid. Amiga de Angelita, a professora Luciane Zocante, do Colégio de Aplicação Pedagógica (CAP) da UEM, escreveu no Facebook: “É muito doloroso quando perdemos um colega de profissão, um amigo, um conhecido e quantas vidas findadas pelo Covid e a população pedindo retorno de aulas, retorno de atividades normais tenho repúdio disso! Enquanto mais de 70% da população não for vacinada com as duas doses muitas vidas serão perdidas! Um ano de estudo ou a diminuição da sua renda são recuperadas, uma vida não é! Sinto muito pela perda dessa colega e de outros e me solidarizo! Que Deus ampare a família e ilumine as pessoas para ter os cuidados necessários para se proteger dessa doença! Meus sentimentos!”. O Sindicato dos Servidores Municipais (Sismmar) e a Prefeitura de Maringá emitiram nota de pesar pela morte de Angelita. Agora a pouco, os vereadores prestaram homenagem póstuma a ela e a outras pessoas vítimas da Covid na cidade nos últimos dias. A diretora seria sepultada às 10 horas desta terça-feira, no Cemitério Municipal. Ela deixa duas filhas.


Compartilhe;